Posts Recentes Tecnologia

Comunicação nas plataformas: um relato de Educação e malandragem4 min read

julho 26, 2021 3 min read

Comunicação nas plataformas: um relato de Educação e malandragem4 min read

Reading Time: 3 minutes

Em um momento anterior à pandemia de Covid-19, plataformas como Google Classroom, Microsoft Teams e Moodle eram muito utilizadas como apoio para cursos presenciais.  O relato a seguir se refere a um desses momentos, mas também pode proporcionar reflexões sobre a importância de uma boa comunicação nas plataformas na nossa atual situação.

Era domingo à noite. Uma amiga entrou em contato perguntando qual era a data de entrega do trabalho final de uma disciplina que fazíamos juntos. Eu não lembrava, mas sabia que o professor utilizava o Moodle da universidade para compartilhar arquivos e divulgar datas importantes. Fiz login, localizei a disciplina e encontrei lá a data de entrega que queríamos.

Tínhamos ainda uma semana. Tirei um print da tela do computador e mandei para minha amiga por mensagem. Assim, ela veria que tirei aquela informação da própria plataforma, então o risco de estar errada era pequeno.

A data estava errada. Segundo o professor, durante a aula, ele informou que o trabalho deveria ser entregue uma semana antes, ou seja, no dia seguinte à conversa que tive com minha amiga. Foi nesse dia que o professor mandou uma mensagem pelo Moodle, alertando que a entrega seria naquela data. Isso significa que ele mudou a data do trabalho na plataforma apenas no dia da entrega.

No grupo da turma, cresceu uma acalorada discussão, pois muitos não se recordavam daquela antecipação da entrega do trabalho. Foi quando eu entrei na conversa e mostrei que no dia anterior a data não estava registrada no Moodle, apresentando, inclusive, o print que havia tirado e enviado para minha amiga.

A confusão estava feita. Colegas levaram minha imagem para questionar o professor, que alegou que seu curso era presencial, logo “vale mais o que eu disse na aula e menos o que está escrito na plataforma”.

Quiz - Qual o seu perfil de professor

No meio dessa lamentável briga, o professor chegou a dizer: “a pessoa que fez esse print é muito malandra. Ela fez isso se aproveitando da situação para ganhar mais tempo”. Risos. Enfim, chegamos a ganhar alguns dias para entregar o trabalho e uma injusta mágoa do professor com a nossa turma (e até com o nosso curso).

Quando o episódio aconteceu, eu já era licenciado em Matemática e lembrei de um conceito: contrato didático. 

O contrato didático é definido por Guy Brousseau (1982) como o conjunto de comportamentos do professor que são esperados pelo aluno e o conjunto dos comportamentos do aluno que são esperados pelo professor. Esse contrato é o conjunto de regras que determinam explicitamente em uma pequena parte, mas sobretudo implicitamente em grande parte, o que cada elemento da relação didática deverá fazer e que será, de uma maneira ou de outra, válido para o outro elemento. Ou seja, é o conjunto de relações estabelecidas entre o professor, os alunos e o conhecimento. São as expectativas do professor em relação aos alunos e destes em relação ao professor, incluindo-se, nessa relação, o saber e as formas como esse saber é tratado por ambas as partes.

(PESSOA, C.  Contrato Didático: Sua Influência na interação social e na resolução de problemas.

Disponível em: http://www.sbembrasil.org.br/files/viii/pdf/01/CC66657466404.pdf. Acesso em: 03/07/2021)

Desde o primeiro dia de aula, estava implícito para nós estudantes que o professor colocaria as informações da disciplina na plataforma, de modo que ela fosse uma fonte de informações corretas e atualizadas. Foi triste ver um professor universitário não ter compromisso com sua parte do contrato e nem mesmo saber reconhecer o equívoco e desculpar-se por ele, ao invés de agir de maneira hostil.

Sem pretensão de dar receitas fáceis, podemos destacar três aspectos muito importantes na comunicação em plataformas tanto para aulas estritamente remotas quanto para aulas presenciais com organização on-line:

1. Deixe explícito para os/as estudantes o motivo do uso daquela plataforma, deixando claro o que devem fazer, o que você (professor(a)) pretende colocar nela e como fará isso.

2. Tenha uma comunicação clara e objetiva. Ninguém é autoritário só por usar imperativo em instruções.

3. Se optar por usar a plataforma para informações sobre a disciplina, mantenha-a atualizada alterando as informações ao final de todas as aulas ou assim que houver mudanças nos combinados.

Superapp Layers
Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *